5 COISAS QUE APRENDI AO MORAR NO ESTRANGEIRO

Sunday, February 12, 2017

Morar em Londres nestes últimos anos tem sido a experiência de uma vida. Daquelas que só quando já estamos no olho do furacão nos apercebemos de quão marcante, entusiasmante e angustiante vai ser a viagem. Todos os dias são uma aventura, uma montanha-russa de altos e baixos, risos e lágrimas. Sim é duro mas vale a pena. Passados estes anos, muitas alegrias e dissabores depois, aqui ficam 5 coisas que aprendi com morar no estrangeiro.


1. DOIS DE CADA COISA

Ser emigrante é pertencer aquele club exclusivo dos dois de cada: dois telemóveis, duas línguas, duas moedas espalhadas na carteira, roupa em dois quartos separados por milhares de km de distância. É encontrar-me naquele momento clássico e embaraçoso de tentar pagar uma bica em Lisboa com pounds e dizer não pode! num momento de conversa interessante com os amigos em Londres.

2. UMA NOVA PERSPECTIVA

Morar no estrangeiro mudou-me para sempre e acredito cada vez mais quão benéfica e importante é passar por essa experiência se possível. Ser emigrante traz-nos isso mesmo, aquele sentimento à flor da pele de pertencer e não pertencer ao mesmo tempo, de olhar o mundo de forma mais compreensiva e de coração aberto. Tenho agora um imenso respeito por todos aqueles que de uma forma ou de outra estão longe das suas origens. Tudo ganha uma nova perspectiva quando estamos longe, as pessoas são mais amadas, os momentos vividos com mais intensidade e damos valor ao que realmente importa. 

3.THE SHOW MUST GO ON

Bébes nascem, amigos casam-se e as melhores festas de aniversário acontecem; a vida continua com ou sem a tua presença. Não vou dizer que é fácil de aceitar, não é de todo, mas o importante é mostrar como estamos sempre presentes em pensamento. Visitar com frequência, ligar e/ou falar por skype todas as semanas e enviar uma encomenda com miminhos quando alguém faz anos são essenciais para mim.

4. NUNCA DIZER NUNCA

Nunca pensei que fosse ser emigrante. Nunca pensei que iria morar em Londres estes anos todos. Nunca pensei que estaria a trabalhar num dos mais conceituados grupos de investigação. Se há coisa que aprendi nos últimos anos é a nunca dizer nunca. Aprendemos também o quão resiliente podemos ser, sei hoje em dia que sou capaz de mover montanhas e enfrentar qualquer desafio.

5. LAR É MUITO MAIS QUE UM ESPAÇO FÍSICO

A casa onde os meus pais moram (e onde sempre vivi e cresci) é especial mas já não tenho um quarto que chame de "meu". A casa onde moro em Londres é alugada e com mobília que não combina, é familiar mas não é "minha". Passei a perceber que o conceito de lar é muito mais do que um espaço físico, é um estado de espírito. Lar é Londres e Lisboa, é o conforto da casa de infância e a familiaridade do metro Londrino. São os dois e nenhum ao mesmo tempo e isso não tem problema. 

Moram ou já moraram/pensaram em morar no estrangeiro?

  • Share:

You Might Also Like

7 Comments!

  1. Adorei o post, Andreia! Já vivi nos Estados Unidos, Madrid, Paris e agora em Copenhaga e consigo-me 'relate' a todos os pontos. Isso da casa é tão verdade, mesmo que os móveis não sejam nossos, sabemos que chegámos a casa. Na semana passada visitei londres, e na minha carteira tinha euros, pounds e coroas dinamarquesas, uma confusão! hahaha

    beijinho,
    Moi by Inês

    ReplyDelete
  2. Adorei, adorei, adorei *.* Identifiquei-me com cada palavra tua. A mim acontece-me muitas vezes é estar distraída e alguém no trabalho me chama e eu toda lampeira: "O que é?" XD Ou, pior de tudo, não me lembrar da palavra nem em Português nem em Inglês -.-
    Concordo plenamente contigo (acho que até já tínhamos "discutido" este assunto) que é uma experiência de vida e para a vida, que recomendo a toda a gente. Não é fácil ou, pelo menos, nem sempre é fácil, há dias que custam muito mais que outros, há momentos que guardamos na memória e no coração, que vivemos em silêncio mas que nos mantém sempre presentes "do outro lado".
    E nem a propósito, daqui a um mês vou a Portugal e, se tudo correr bem, vou fazer três tatuagens. Uma delas será, nem mais nem menos, a frase "The show must go on", em grande parte porque o Freddie é O meu ídolo musical, mas é exactamente uma frase que representa cada dia que nos sentimos mais em baixo por não podermos estar presentes naquele momento especial de alguém.
    Sabes que eu dizia "nunca"? Nem sequer sair de Guimarães, quando mais Portugal! Pois cá estou, e se há coisa de que não me arrependo nem por um segundo é isto, ser emigrante, ser melhor pessoa, ser lutadora.
    Uma vez mais: adorei.
    Anabela (aquela do canal Desordem Familiar e que por acaso fez hoje o teu brownie mas exagerou no corte do açúcar e agora tem de repetir com mais uma colherzinha de açúcar XD )

    ReplyDelete
  3. Apenas morei numa cidade diferente durante a faculdade mas confesso que me revejo em muito do que dizes!
    É, sem sombra de dúvida, uma bela aprendizagem! ;)
    Beijinho
    Cris

    www.lima-limao.pt

    ReplyDelete
  4. Tinha na minha lista de ideias para Posts "coisas que aprendi a viver na Alemanha", andamos sincronizadas ahaha tenho que fazer a minha versão :P mas tudo que aquilo que disseste é bem verdade, acho que o que custa mais é o ponto 3. Perder momentos importantes, de pessoas importantes... tento nem pensar nisso! Mudar de perspectiva em relação a tudo, talvez tenha sido a coisa mais importante e positiva que aconteceu no meio de toda esta experiência que é viver no estrangeiro.

    Beijinhos
    www.andreiapereirablog.com

    ReplyDelete
  5. Gostei tanto deste post! Nunca tinha lido nada do género mas adorei :)
    Só me deste ainda mais vontade de um dia ir morar para o estrangeiro, sem dúvida de que já pus essa hipótese várias vezes. Deve ser uma experiência única!

    Beijinhos, Beatriz ❤
    http://beatriz-pedrosa.blogspot.pt/

    ReplyDelete
  6. Gostei muito de ler! É mesmo interessante saber a perspectiva de quem está longe do país, sem ser apenas para férias. E melhor ainda ler coisas positivas, pois tenho vontade de experimentar trabalhar uma temporada em outro país, mas ter coragem é que é pior ahah.

    Automatic Destiny

    ReplyDelete
  7. Gostei muito de ler este texto com que tanto me identifico! Tal como tu, nunca fui daquelas pessoas que pensava emigrar, mas a vida trocou-me as voltas e vi-me a trabalhar e morar no estrangeiro! Sem dúvida que sair da nossa zona de conforto não é fácil, mas acaba por ser gratificante de várias maneiras... infelizmente acabamos por perder vários eventos da vida dos nossos amigos e família e as saudades são mais do que poderíamos descrever!

    ReplyDelete