MÉTODO KONMARI: MINIMALISMO, OPINIÃO DO LIVRO E O QUE APRENDI?

Sunday, January 15, 2017

A primeira vez que me cruzei com o conceito de minimalismo e de uma vida menos materialista foi no canal do youtube Light By Coco. Encontrei o canal por mero acaso e fiquei totalmente cativada pela Coco, de tal forma que nessa mesma noite vi quase todos os vídeos sobre o assunto. Desde o primeiro minuto fiquei convencida, o minimalismo era para mim! Desde aí fiz várias mudanças graduais na minha vida, comecei a comprar de forma mais consciente, a apostar na qualidade em vez de quantidade (adeus comprinhas na Primark!) e por destralhar o meu guarda-roupa. Passados alguns meses e depois de já estar totalmente imersa no conceito de minimalismo, tomei conhecimento do livro que levou meio mundo a destralhar as suas vidas, The Life-Changing Magic of Tidying da Marie Kondo.

O método KonMari, descrito no livro e criado pela autora e organizadora/life coach profissional Marie Kondo, apresenta ao leitor um método revolucionário para destralhar, organizar e viver em sintonia com as nossas casas e bens materiais.


EM QUE CONSISTE O MÉTODO KONMARI?

Marie Kondo descreve o seu método de organização e destralhe como uma experiência revolucionária que irá mudar a vida de cada leitor para sempre. Marie afirma também que toda a experiência de destralhe deve ser efectuada de uma só vez, permitindo atingir o nirvana da organização e minimalismo e nunca mais ter de voltar a organizar a sua casa. Segundo o livro, o método KonMari baseia-se nos seguintes conceitos gerais:

1. Retirar tudo de armários, gavetas e arrumação.
2. Juntar os artigos por categoria (ex. camisolas, livros...) e não por divisão da casa e/ou localização.
3. Avaliar cada conjunto de artigos, pegar em cada artigo individualmente e perguntar a seguinte questão:
'DOES THIS SPARK JOY?'

Se sim, mantemos o artigo, se a resposta for não, devemos desfazermo-nos do mesmo.

4. Apenas re-organizar cada conjunto de artigos depois de destralhar por completo e acabar com um conjunto final de artigos a manter.
5. Organizar as categorias pela seguinte ordem: roupas, livros, papeis e documentos, fotografias e artigos com valor sentimental.


QUAIS OS ASPECTOS COM QUE ME IDENTIFICO E O QUE RETIRO DO LIVRO?

O conceito que mais ressoou comigo foi a forma como Marie Kondo descreve que não nos devemos sentir "culpados" por desfazer de artigos que raramente ou nunca têm utilização; por exemplo, compras impulsivas em saldos ou algo oferecido por alguém que nos é querido. Devemos sim pensar que aquele objecto cumpriu a sua função ao nos informar que não gostamos de certo estilo, formato ou cor do artigo. Nessas ocasiões, devemos agradecer ao objecto por ter cumprido a sua missão e desfazermo-nos do mesmo sem sentimentos de culpa.

Outro aspecto que também gostei bastante foi a ordem pela qual o método KonMari sugere que organizemos as categorias de artigos. É muito mais fácil começar pelo destralhe de roupa que não serve ou está velha do que por fotografias ou objectos com valor sentimental, acreditem em mim!

QUAIS OS ASPECTOS COM QUE NÃO ME IDENTIFICO?

Marie Kondo sugere que todos os artigos que permanecem na nossa vida sejam motivadores de energia positiva ou that spark joy! Concordo totalmente com a ideia no que se refere a artigos com valor sentimental ou não-essenciais mas vamos ser honestos, eu não tenho qualquer ligação emocional com a minha espátula mas preciso de ter uma na minha cozinha, certo?

Considero-me uma minimalista em treino, ainda com bastante a melhorar mas estou num caminho que me dá imensa paz interior, e este livro sem dúvida que me inspirou nesta viagem. No entanto, e como em tudo na vida, devemos interpretar as ideias de Marie Kondo com uma pitada de sal. Saber o que se identifica connosco e o que é totalmente irrealista. 

Afinal de contas, pobre coitada da minha escova de dentes quando descobrir que não me transmite qualquer tipo de sentimento de alegria mas ainda permanece na minha vida!

E por aí, já leram o livro da Marie Kondo? O que acham do conceito de minimalismo?

Livro versão inglesa
Livro versão traduzida

  • Share:

You Might Also Like

4 Comments!

  1. Confesso que é um conceito que também tenho vindo a incorporar na minha vida e a sensação de liberdade é completamente avassaladora. Como tu, sou uma minimalista em pleno treino e tenho muito para aprender. De qualquer forma, desde que decidi aderir a um estilo de vida mais simples e com maior intenção são inúmeros os benefícios (aprender a consumir e a dar importância ao que e a quem realmente importa, são os mais visíveis!)que encontrei e ainda não me dei de caras com qualquer desvantagem. Tenho como utopia o facto de, um dia, toda a humanidade aderir a este conceito.. A vida será tão melhor! ;)
    Beijinho
    Cris

    P.S.: Temos saudades de te ver pelo Youtube! ;)

    www.lima-limao.pt

    ReplyDelete
    Replies
    1. É mesmo uma sensação fantástica, aquela de não nos sentirmos presos pelas nossas posses materiais :) Agora sei que mesmo as coisas que tenho não têm significado emocional para mim, quando chega o momento de irem, vão! Não compro para me sentir melhor, compro quando preciso e dou/vendo quando já não preciso! Adoro e fico contente de estar a correr tão bem contigo também. Beijinho grande p.s. eu sei, também tenho muitas saudades de gravar mas por agora é mesmo impossível voltar, segue o meu snap :)

      Delete
  2. Tenho muita curiosidade em ler a Marie Kondo, mas ainda não comprei nenhum dos livros. Fico sempre reticente, a questionar-me se a filosofia e conselhos dela vão alterar alguma coisa da minha vida. Porque eu já sou uma «destralhadora» nata. Passo o tempo nisso e não tenho qualquer ligação sentimental com as coisas - quando sei que não têm utilidade não penso duas vezes em dá-las a quem possa fazer melhor usufruto delas (ou até deitar ao lixo, quando já não servem para nada). Pelo que não sei se a Marie Kondo vai ter muito para me ensinar... Mas talvez o livro traga mais que isso (e é essa curiosidade que faz com que ainda esteja na minha wishlist...) :)

    Aonde (não) estou

    ReplyDelete
    Replies
    1. Olha Ana para ser honesta, se já és uma pessoa minimamente dentro do assunto e que incorpora muito o conceito de minimalismo, não acho que a leitura do livro seja essencial. Tem algumas dicas interessantes sim mas também pode ser um pouco aborrecido e exagerado quando ela começa a descrever tudo com muito detalhe. Experimenta arranjar o e-book, sai mais barato normalmente e assim tens menos um livro para destralhar no final hehe Beijinho

      Delete