COMO CORTAR COM O AÇÚCAR DA SUA ALIMENTAÇÃO (PARA SEMPRE!)

Thursday, March 24, 2016



O consumo excessivo de açúcar e os seus malefícios é o assunto que anda nas bocas do mundo. Na verdade, o tema não é novo e tem sido alvo frequente de estudos nos últimos anos, mas só agora parecemos ter uma ideia mais completa do nosso futuro e deixem-me que vos diga, não é nada bonito! Estudos recentes indicam que o consumo excessivo de açúcares está directamente relacionado com o desenvolvimento de cancros, hipertensão, obesidade, asma e doenças neurológicas como o Alzheimer ou depressão crónica. E como se isso não fosse já mau o suficiente só por si, estudos recentes demonstraram também que o açúcar actua nos mesmos centros cerebrais do prazer que a cocaína ou outras drogas pesadas. Sim é isso mesmo, em duas palavras, o açúcar vicia! Mas se ainda estás de pé atrás no assunto, pensa comigo, quando foi a última vez que te deu uma gula imensa de comer brócolos a seguir ao jantar? Aposto que nunca, certo? Mas um pacote de oreos já é outra conversa, é só uma para matar a gula e dali a pouco desapareceu o pacote todo. Nos tempos primitivos quando os seres humanos eram maioritariamente caçadores-recoletores, este "vício" por alimentos doces era na verdade um mecanismo essencial de sobrevivência. Afinal de contas, acesso a fruta fresca ou outros alimentos densamente energéticos não era possível até ao Verão seguinte e os nossos antepassados procuravam acumular o máximo de calorias possível. Hoje em dia, temos ao nossos dispor alimentos doces 24h/7 e este desejo pelo doce poderá ser o nosso pior inimigo. Reduzir a quantidade de açúcar que consumimos no dia-a-dia não é tarefa fácil, eu que o diga em primeira mão, mas com alguns passos muito simples e força de vontade, vais ver que a tua missão sugar-free pode ser muito mais fácil.


1.Grão a grão...fazemos uma sugar-detox
Passar de comer um pacote inteiro de oreos para uma dieta totalmente sugar-free do dia para a noite é extremamente díficil, senão mesmo impossível e desaconselhado. Pensa neste objectivo como uma escalada ao Evareste, ninguém consegue passar de um alpinista inexperiente para no dia seguinte conquistar o cume à primeira tentativa. O truque está em dividir a meta final, por muito longínqua que pareça, em passos menores e de fácil alcance. Começar por substituir refrigerantes por sumos naturais ou água com limão, reduzir a quantidade de açúcar no café ou substituir sobremesas por uma peça de fruta são ótimas ideias para quem quer começar. Eu pessoalmente comecei por substituir gradualmente os cereais de pequeno-almoço, diminuíndo aos poucos a quantidade de açúcar adicionado até deixar por completo, custou-me bastante admito mas tudo a seguir a isso foi muito mais fácil. 

2. O tipo e fonte de açúcar importa (e muito!)
Como já dizia a expressão popular, há açúcares e açúcares! Desde refinados e de produção/adição artificial como o açúcar branco ou o xapore de glucose até aos de ocorrência natural como a frutose presente na fruta e vegetais, nem todos os açúcares são farinha do mesmo saco. O segredo de uma alimentação saudável passa por reconhecer o equilíbrio entre quais os açúcares a consumir com moderação e quais a evitar por completo. Açúcares naturais como os da fruta não só fornecem a energia que o nosso corpo necessita como também outros nutrientes essenciais como vitaminas, fibra e minerais. Além disso, a fibra e a água presente na fruta fazem com o próprio açúcar da fruta seja absorvido de forma mais lenta pelo nosso sistema. Por outro lado, açúcares refinados e artificiais, como por exemplo o adicionado nos bolos, pão, molhos ou refrigerantes são calorias vazias. O seu contéudo nutricional é zero e fazem subir rapidamente a nossa glicémia (açúcar no sangue) e por isso são 100% a evitar.

3. Procura açúcar mesmo onde não estás à espera
Dizer que um crossaint pode ter o equivalente a duas colheres de açúcar provavelmente não te irá criar muita surpresa mas e se eu disser que um frasco de molho de tomate pode conter exactamente a mesma quantidade? A indústria alimentar depende da adição de açúcar e outros adoçantes para nos fazer comprar novamente determinado produto, afinal de contas, o açúcar vicia. A adição de açúcar está em todo o lado, até nos alimentos menos óbvios; desde presunto, queijo, fiambre, molho de tomate, cereais e até chouriços e enchidos. O segredo está em ler sempre os rótulos dos alimentos e fazer escolhas equilibradas entre as várias opções/marcas.
 
4. Piorar para depois melhorar
Como em qualquer desintoxicação, existem sintomas de ressaca associados à redução do consumo dessa substância e o açúcar não é diferente. Sintomas como enxaquecas, dores musculares ou sintomas de "gripe" são comuns quando o nosso corpo está a habituar-se a um novo nível de açúcar. Mas não te preocupes, todos os sintomas passam normalmente em 1 ou 2 semanas e se não desistires na parte mais díficil, garanto que depois são só vantagens e vais-te sentir mil vezes melhor.

5. Light não significa saudável
Muita gente me questiona porque é que se estou de dieta, não como iogurtes magros ou barrinhas de cereais light, eu normalmente respondo com a recomendação deste documentário. Mas a resposta é muito simples, primeiro light não significa saudável e segundo, eu não estou de dieta! Com o aumento de produção dos produtos light/diet nos anos 80, a indústria alimentar começou a perceber que ao retirar o conteúdo de gordura de um certo alimento, a comida sabe mais ou menos a ... cartão! E claro, menos saboroso significa menos vendas, no way! A solução passou por adicionar mais açúcar e aromatizantes para disfarçar o sabor desinteressante da comida sem gordura. O resultado como já deves imaginar é que muitos dos produtos light hoje em dia contêm mais açúcares, aromatizantes e intensificadores de sabor do que a versão normal do mesmo alimento. Mas mais importante que isso, a escolha de uma alimentação mais saudável não deve passar por substituir uma coca-cola por uma coca-cola diet mas sim por substituir por alternativas caseiras (limonada ou chá frio por exemplo), onde sabemos exactamente o que estamos a ingerir e que isso sim, é comida verdadeira!

Leituras recomendadas:
I quit sugar for life - Sarah Wilson
Grain Brain - Dr. David Pelrmutter

  • Share:

You Might Also Like

8 Comments!

  1. Adorei este texto. Eu já tinha estas noções há algum tempo, mas só há cerca de 2 meses é que eu me decidi mesmo cortar o mal quase pela raíz. Já há quase um ano que vou evitando certas coisas, há dois anos que não bebo refrigerantes, mas estava a custar entrar no sistema de "sugar free". Ao início custou, claro, mas agora está a ser muito mais simples, e embora eu esteja a perder peso (que eu ainda tenho aqui uns quilinhos a mais) não quero nem pretendo consumir açúcar numa base diária assim que atingir os resultados pretendidos (não sei se me fiz entender, eheh). Por isso é que lhe chamo re-educação alimentar e não dieta. Porque realmente o que os estudos demonstram é no mínimo assustador :/
    E isso do açúcar estar em todo o lado chega a ser frustante. Eu trabalho no Costa e só há 2 coisas naquele sítio que não têm açúcar adicionado (andei a ler os rótulos todos XD ): o iogurte natural e os sumos de laranja e de pêra naturais. Mais nada!
    Pronto, tudo isto para dizer que estou contigo :D
    Anabela Lopes (do canal (Des)Ordem Familiar)

    ReplyDelete
    Replies
    1. Obrigada Anabela :D Fico tão contente com o teu comentário. Eu penso o mesmo, apesar de ter perdido bastante peso quando comecei a fazer estas mudanças alimentares e outras, o que sem dúvida foi um plus, o melhor acima de tudo é como me faz sentir. Eu sempre sofri de muitas enxaquecas e problemas digestivos e desapareceu tudo, sinto-me muito melhor no geral e tenho mais energia! É fantástico ver os resultados em nós próprios quando levavamos a sério por alguns meses :) Continua o bom trabalho e em breve vou publicar por aqui muitas receitas úteis hehe beijinho

      Delete
  2. Açucar é algo que tenho cortar, dantes bebia todos os dias refrigerantes agora passei a beber só um dia no fim de semana, o meu mal é ainda por algum açucar no chá por exemplo.. e a nivel de doces raramente como, quando como prefiro faze los em casa mas mesmo reduzindo a quantidade de açucar nem sempre consigo tirar por completo mas lá está vai se fazendo aos poucos ^^^
    Gostei do artigo ;) muito bem estruturado ^^
    beijinho**

    ReplyDelete
    Replies
    1. Eu também sempre tive esse problema do açúcar no chá ou no café mas é possível reduzir acredita :) É uma questão de habituarmos o nosso paladar, experimenta reduzir gradualmente o número de pacotes ou colheres, só um bocadinho de cada vez, sem dares por isso já vais estar a beber sem nada :D Beijinho grande e obrigada pelo comentário

      Delete
  3. Ha quem ame salgados e quem ame doces, e eu amo os doces.
    Nao bebo refrigerantes nem outro tipo de sumos, apenas sumos naturais, mas perco-me em tudo o que tenha chocolate! Bolos, bolachas, etc.
    Mas tem de acabar :P
    Tenho reduzido nos ultimos tempos, mas nao consigo parar de comer chocolate por completo.
    Mas este guia ajuda muito =)

    Sophie.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Eu nunca fui muito de bolos por acaso mas chocolate ainda hoje é a minha perdição. Acho que para mim o ponto de viragem foi quando comecei a ler mais sobre o assunto e a compreender realmente o quão prejudicial pode ser em excesso e aí reduzi imenso e nem custou. Claro que um chocolate sabe sempre bem mas prefiro sempre o mais escuro possível :) Fico muito contente que tenhas gostado do post, um grande beijinho

      Delete
  4. ando a cortar cada vez mais e a substituir por outros tipos de açucar como o oleo de coco e o mel e sinto-me cada vez melhor em sber que não ando a ingerir quimicos aditivos. excelente post!

    bejinho,
    Moi by Inês
    Raw Studio

    ReplyDelete
    Replies
    1. Obrigada pelo comentário :D É mesmo e depois uma pessoa também se habitua a níveis cada vez menores de açúcar, agora nem consigo beber dois golos de iced tea ou coca cola e achar aquilo super enjoativo ahah Beijinho grande

      Delete